Top

Aprendendo a pedir ajuda

“Tudo fica mais leve, quando além de ajudar os outros, aprendemos a pedir ajuda”
Olá Queridas da EDV(Escola de Você)!
Tive o prazer de entrevistar aqui em São Paulo, a Embaixadora Cíntia, que atualmente
mora na Itália, o que rendeu um bom papo e uma excelente parceira na oficina da criatividade
com a Jéssica Ferraz – Embaixadora EDV.
Sou fascinada pelos belos ensinamentos da EDV, pela transformação na minha vida, da
minha parceira nesta oficina e de tantas outras mulheres, mas este trabalho em especial
me levou as seguintes reflexões:
– A dificuldade de pedir ajuda;
– A frustação do outro não ser tocado pela EDV assim como nós;
Bom, vamos lá: É lindo ver a EDV moldando vidas e ajudando na construção da
identidade como pessoa e na beleza de ser de milhares de mulheres, nos ensinando a
pedir ajuda, colo e a entender que não tem problema não estar sempre BEM, que temos
momentos que precisamos ser cuidadas, que aquela heroína dos quadrinhos só existe lá,
mas que aqui como mulheres reais que somos, estamos sim, a mercê de angústias,
tristezas e algumas frustações, porém o nosso diferencial é a forma que resolvemos e
nos apoiamos umas nas outras para juntas e muito mais fortes resolvemos determinada
situação.
Porém com relação a frustação mencionada anteriormente, percebi que as angústias da
minha colega não acontecem apenas com ela, mas que nós, sim nós, pois também me
incluo nesta lista, ainda tendemos a sofrer pelos outros, por suas escolhas ou
indiferenças, quando desejamos compartilhar algo tão valioso como os cursos e
ensinamentos da EDV e infelizmente nos damos conta de que nem todos entendem a
grandiosidade deste projeto.
Minhas amigas da EDV que assim como eu e minha parceira já tiveram estes momentos
de frustação, saibam que não se trata de nós e sim do outro, pois nem todos neste
momento enxergam a necessidade de pertencer verdadeiramente a essa grande
comunidade, que para mim pode ser chamada de humanidade EDV.
Mas a nós, basta respirar fundo, respeitar o momento do outro, e seguir firme nos
nossos propósitos, servindo de exemplo com força, sabedoria, sororidade, amor e união!
E agora, para você se inspirar também, veja um pouco do que foi compartilhado com
minha amiga e parceira Cintia:
1 – Como conheceu a Escola de Você?
Conheci a escola de você pela Ana Fontes, que fez um post na Rede Mulher
Empreendedora sobre a Escola de Você, como vi a indicação logo acessei o conteúdo,
pois entendi que pela indicação era algo que valia a pena conhecer, e gostei do que vi e
fiz o curso da primeira turma, minha mãe também, amigas, etc.
2 – Qual seu curso e/ou aula favorita?
Curso ou aula favorita não sei, mas o de autoestima eu fiz várias vezes, não sou mãe,
embora tenha 40 anos, mas aquele curso mãe, Ser ou Não ser, foi ótimo, tira aquele peso
da sociedade sobre nós. Sem falar na aula do mousse de capim santo da tia Lola, que é
algo corriqueiro que fazemos, ou seja, nem experimentamos e já falamos que não
gostamos, ao invés de se abrir para o novo. Enfim, todas as aulas acrescentam, os
encontros, as oficinas, a troca de conhecimentos, esta sororidade. São coisas que amo na
escola, nem nos conhecemos fisicamente na maioria dos casos e ficamos amigas, temos
o mesmo ideal, e todo este conjunto completa a grande obra EDV, que é bem o reflexo
daquela frase: Juntas Somos Mais Forte!, ver uma ajudando a outra é tudo de bom, pois
é o princípio da escola e isso funciona mesmo, na prática.
3 – O que você aprendeu na EDV de modo concreto?
A principal coisa que aprendi na EDV foi a sororidade, apoiar a outra mulher sem
julgamentos, respeitar o motivo particular de cada um, e independente dele, apoiar
sempre, sem contar que as live da Natália são excelentes, quando foi falado sobre pedir
ajuda, me tocou muito, eu tinha uma dificuldade gritante e vejo muitas amigas próximas
com a mesma dificuldade. Às vezes porque querem ser a mulher maravilha, não querem
reconhecer que são falíveis, que precisam de colo, e de um abraço, mas quando você
pede ajuda ou ajuda alguém, é maravilhoso nos sentimos úteis e aprendemos com o
problema ou a dor do outro.
Eu sou exemplo disso, vim para Itália com a cara e a coragem e com a aquela frase da
Ana Fontes: “Se der medo vai com medo mesmo”, sem contar que começamos a
enxergar a rede de apoio que temos, família, amigos, inclusive fiz novas amigas na
EDV, e uma em particular esta vindo para Itália, sinto que nós mulheres da EDV nos
tornamos uma grande família.
4 – Por que indica a Escola de Você?
Indico a EDV, porque é muito amor envolvido, me ajudou muito, trata de questões
importantes para vida, se vejo que meu próximo tem algum problema ou dificuldade e
eu não saberei explicar e fazer a pessoa entender que precisa mudar de alguma forma, já
indico a EDV porque faz isso de forma leve, prática, ajuda mesmo e vemos os
resultados, mas infelizmente ainda sinto dificuldade de fazer o outro entender a
importância de fazer parte desta grande rede, isto me frustra um pouco, porque eu
indico, mas não posso obrigar o outro a fazer os cursos, embora eu queria que assista as
aulas e sinta o mesmo que eu.
Mas enfim, eu indico! Às vezes a pessoa não dá bola, não é tocada como fui e isso é um
pouco complicado, porém quando vejo o mimimi entre mulheres eu logo digo: Gente,
tem que fazer EDV. Tem uns que fazem e agradecem, mas não é sempre que todos se
interessam, mas continuo indicando e sempre indico porque gosto muito.
Espero que tenha gostado da nossa conversa e compartilhe conosco deste mesmo amor,
alegria, entusiasmo, união e desta sororidade que é marca da EDV.
Beijos com carinho!
Kel
Embaixadora EDV SP